Na Fiesp, Guedes silencia sobre Disney e cita tributo do pecado diante da Nestlé - 14/02/2020 - Painel S.A.


Menu executivo Durante o almoço que teve na Fiesp com cerca de 30 grandes empresários nesta quinta (13), o ministro Paulo Guedes voltou a falar do imposto do pecado, aquele que tem como alvo os produtos nocivos à saúde, como cigarro, bebida alcoólica e doce. Na mesa estava o presidente da Nestlé Brasil, Marcelo Melchior, que reagiu manifestando preocupação com a satanização de seus alimentos, segundo relatos de convidados. Também estava presente Victorio de Marchi, da Ambev.

Chocolate Ainda segundo os convidados, o ministro falou da saúde dos brasileiros, mencionou que ele próprio se preocupa com diabetes e que emagreceu para ter liberdade de comer sobremesa. 

Caixa de sugestões Paulo Guedes abordou a reforma tributária, o imposto sobre movimentação financeira e disse estar aberto para ouvir as ideias do empresariado sobre alternativas para desonerar a folha de pagamentos. Também defendeu mais investimentos em saúde e educação.

Festa danada Sobre a nova declaração polêmica de que o real valorizado permitiu que empregada doméstica viajasse à Disney, Guedes silenciou diante dos empresários. 

Mickey O ministro deixou a Fiesp sem falar com os jornalistas que o aguardavam. A coluna o abordou no estacionamento, mas ele se recusou a falar sobre o assunto das domésticas novamente. 

Pateta Em conversa paralela, um dos convidados fez piada: disse que a época do dólar baixo permitiu que eles levassem as babás à Disney, mas a moeda americana, por sorte, subiu na hora certa, quando a família começou a cogitar que levassem também a sogra.

Sobremesa Procurada pela coluna para comentar o imposto do pecado, a Nestlé respondeu, em nota, que tem “uma jornada consistente com compromissos globais em saúde, nutrição e bem-estar, como a redução voluntária de sódio, açúcar, gorduras saturadas e gorduras trans”. 

A coluna Painel S.A. agora está disponível por temas. Para ler todos os outros assuntos abordados nesta edição, clique abaixo: 

Ministério Público analisa denúncia de calote contra investidor 

Após novo atraso de julgamento sobre frete, caminhoneiros têm avaliação positiva 

Inmetro planeja revogação de 70 regras antigas 

Com Filipe Oliveira e Mariana Grazini